sexta-feira, 28 de agosto de 2015

Review Fear the Walking Dead S01E01 – Pilot: Um drama familiar em meio ao caos


ATENÇÃO: Este review contém spoilers do primeiro episódio da primeira temporada de Fear the Walking Dead, S01E01 – “Pilot” (Piloto). Leia por sua conta e risco. Você foi avisado.

Depois de basicamente dois anos de espera – desde que rumores sobre uma série derivada começaram a surgir -, finalmente a estreia de Fear the Walking Dead veio ao público na noite de ontem (domingo, 23 de agosto). A partir de agora você passa a conferir aqui no Fear the Walking Dead Brasil o que ocorreu no episódio Piloto da série. Trata-se de texto com spoiler, caso não se importe ou já tenha assistido, leia até o final.

O boom inicial se dá com Nick Clark – interpretado por Frank Dillane que inclusive recebeu ótimas críticas pelo modo como vivenciou o personagem em seus dramas – acordando desorientado após o clímax dos efeitos da heroína em seu corpo. O local que se encontra aparenta ser uma igreja abandonada e que em algum momento se tornou refúgio para os interessados na experimentação e usufruto das drogas. Nick acorda e dá-se conta que Gloria, sua companheira, não está ao seu lado e então inicia uma busca por ela dentro do local. Então temos o contato com o primeiro infectado, Nick vê sua companheira devorando o corpo de algum moribundo. Desesperado com a cena, Nick corre desenfreadamente para fora do local e acaba por ser atropelado.

Após a abertura, somos apresentados à mãe de Nick e a sua irmã, Madison Clark (Kim Dickens) e Alicia Clark (Alycia Debnam-Carey), respectivamente e ao namorado de sua mãe, o professor Travis Manawa (Cliff Curtis). Travis, antes do relacionamento com Madison, era casado com Liza (Elizabeth Rodriguez) e é pai de Chris Manawa (Lorenzo James Henrie), com quem aparentemente possui problemas de relacionamento, visto que Chris nega o pedido do pai para passarem o fim de semana juntos. Contudo, tudo indica que Travis e Liza nutrem um respeito mútuo um pelo outro e não enfrentam qualquer tipo de inimizade entre si. Madison é uma espécie de coordenadora pedagógica da escola onde Alicia estuda e onde Travis ministra suas aulas.


Em casa, Madison e os demais são surpreendidos – ou não, visto que a própria declara que todos os dias espera por péssimas notícias do filho – com a ligação que informa que Nick foi levado ao hospital em decorrência de um acidente. Quando chegam ao local, Madison dá conta de uma de suas primeiras características, uma mãe dedicada, mas ao mesmo tempo rígida. Alicia por sua vez parece fazer a linha da adolescente centrada, correta e que lida com a rebeldia comum a sua faixa etária ao mesmo tempo em que se relaciona com o irmão sobre uma linha tênue de amor e decepção. Travis parece o tempo todo tentar a aceitação dos dois filhos de Madison, e para isso se oferece para se manter na condição de acompanhante enquanto Madison vai até a escola para resolver alguns problemas.

Sozinhos, Travis tenta extrair algumas informações de Nick, que frustrado consigo mesmo revela o que houve, mas que acredita ter sido fruto dos efeitos das drogas utilizadas na noite anterior em sua mente. Travis tenta de várias maneiras manter conversa com Nick, mas entre os dois há um claro desconforto pela situação em que vivem.

Na escola, Madison atende a Tobias (Lincoln Castellanos), um dos alunos da instituição. Tobias é levado até Madison visto ter sido flagrado com uma espécie de arma branca. Ao ser questionado por Madison, Tobias discursa sobre uma nova pandemia que está em estágio inicial, da qual não se tem muitas informações sobre do que exatamente se trata, mas que a “enfermidade” leva as pessoas a devorarem as outras e que já houveram casos em outros estados do EUA. Madison parece insatisfeita com a resposta adquirida e encerra a questão pedindo para que Tobias desligue-se do mundo das fantasias que a vida online proporciona.

Após cumprir com suas atribuições na escola, Madison retorna ao hospital para passar o turno da noite com Nick. Sendo Travis liberado, esse decide dar credibilidade aos fatos relatados por Nick mais cedo e vai até o local do ocorrido. Travis se depara com um local totalmente desordenado e nojento, mas acaba encontrando indícios de que no mínimo, partes das alucinações do enteado são de fato verídicas no mundo real, no local há sangue e restos de vísceras humanas.


Madison, no hospital, parece finalmente se desfazer da face durona, e, sozinha, vê a possibilidade de exteriorizar todo o seu sentimento, chorando copiosamente na poltrona reservada aos acompanhantes, enquanto observa seu filho repousando sobre o leito hospitalar. No amanhecer, Travis e Alicia chegam ao local e encontram Madison dormindo abraçada junto ao filho. Depois de retirarem algumas informações com a enfermeira responsável, arrumam-se para irem embora. Alicia ajuda o irmão com o café da manhã e a conversa entre os dois nos esclarece que apesar das adversidades há um vinculo muito forte entre os dois irmãos e Alicia, mesmo sendo a caçula, é um alguém em quem Nick deseja se inspirar. O rapaz ainda relata para Alicia que as coisas irão mudar, contudo, ela parece não confiar totalmente no que ele afirma.

Travis e Madison conversam, ele revela para ela que foi até o local onde Nick havia passado a noite que culminou em seu atropelamento. Travis demonstra-se totalmente propenso a aprofundar-se na história, contudo Madison ignora a preocupação, visto as experiências passadas com Nick.

Alicia encontra-se com seu namorado e compartilha com ele a vontade de ir embora assim que se formar no ensino médio para se livrar dos problemas e conflitos que vive no seu núcleo familiar. A adolescente parece estar bem inconformada com a situação de seu irmão e com o relacionamento de sua mãe com Travis, ela não aceita a necessidade que Madison e o namorado veem de que eles precisam padronizar a feliz a nova formação da família.


Nick está sozinho no hospital à espera de uma oportunidade para fugir. Quando o seu companheiro de quarto passa por uma parada cardíaca fazendo com que toda a equipe médica se mobilize em leva-lo para outro setor, Nick apropria-se da situação para ir embora do hospital. Algum tempo depois, sua mãe e seu novo padrasto chegam ao local para visita-lo e se dão conta do ocorrido. Madison, inconformada, resolve seguir atrás de Nick com a ajuda de Travis. Madison pede para que seu namorado a leve até o local dos fatos, pois acredita que Nick possa ter migrado para lá. No local Madison se depara com pertences do filho e uma seringa utilizada para a injeção da heroína na corrente sanguínea. Desamparada e agora ciente do local e dos relatos de Travis, Madison pede para que sigam até a casa de um dos amigos de Nick, Calvin. Lá nada encontram. Na volta para casa acabam em um engarrafamento causado por um possível acidente, visto a presença de ambulâncias e viaturas policiais e acabam por tomar um atalho para casa.

No dia seguinte, Madison chega à sala dos professores – sim, mesmo com o filho desaparecido ela vai trabalhar – onde estão todos reunidos, incluindo Travis, assistindo ao noticiário do ocorrido na noite anterior, no trecho da estrada onde Travis e Madison estavam presos. A notícia demonstra um homem, aparentemente morto, sendo preparado pelos paramédicos para ser levado embora. Contudo, o homem torna a se mexer, o que faz um dos paramédicos ir conferir seus batimentos cardíacos. O homem da maca agarra o socorrista e o morde, o que causa grande alvoroço entre os médicos e policiais presentes. O homem continua os ataques até que os policiais, em defesa própria, começam a atirar. Vários tiros no peito são disparados, entretanto o homem continua a caminhar em direção aos policias. Um tiro no crânio faz o homem desabar para a morte.

Madison pede para que Travis ligue para a polícia para requer a busca de Nick e sai em busca de Alicia, que está na sala de aula. A adolescente está conferindo o mesmo vídeo do noticiário que sua mãe e Travis assistiram na sala dos professores, mas Alicia ridiculariza o fato acreditando ser uma espécie de montagem. A aula é interrompida por um aviso da direção que pede para que os alunos retornem para casa. No mesmo momento Madison chega à sala de Alicia e pede, encarecidamente, para que a adolescente retorne para casa. Alicia demonstra-se preocupada com o fato de Nick estar na rua e com um possível desaparecimento de Math, seu namorado, que desde o dia anterior não entra em contato com ela.


Nick, que anda desorientado pelas ruas de Los Angeles marca um encontro com Cal numa lanchonete. Nesse momento há a revelação de que Cal é o traficante que cede as drogas para o jovem Clark. Nick questiona Cal quanto ao tipo de droga que havia vendido para ele, visto as “ilusões” que essa resultou. Cal tenta acalmar Nick e propõe darem uma volta pela cidade para que ele se acalme.

Cal leva Nick para o que parece ser as canalizações do rio Los Angeles. No local, Cal aponta um revólver para Nick e pede para que esse desça do carro. Os dois começam uma luta corporal o que acaba culminando na morte de Cal. Nick desesperado com o ocorrido liga para Travis pedindo que esse venha o ajudar.

Travis e Medison chegam ao local e Nick tenta explicar o que ocorreu levando-os até o local. Ao chegarem, o carro de Cal continua estacionado, contudo seu corpo não está mais ali. O casal coloca Nick no carro e resolvem ir embora. Travis sai de ré pelo túnel que leva até o local do incidente com Cal, quando observa alguém andando em direção ao carro. Madison e Travis descem do carro e percebem que se trata do próprio Cal. Madison tenta chamar atenção do rapaz tocando seu ombro, contudo Cal tenta mordê-la, que instantaneamente é salva por Travis. Nick, ainda no carro, observa a cena e toma o volante, passando de ré sobre Cal, que novamente levanta-se e anda em direção ao carro. Madison e Travis olham as cenas descrentes. Nick novamente acelera o carro e leva Cal sobre o capô que depois de alguns metros, caí totalmente desmembrado ao chão. Madison e Travis chegam logo após, correndo, observam a cena do corpo de Cal caído. Entretanto, o rosto vira-se em direção a eles, como se os observando. Fim de episódio.

Durante a exibição, tanto nos Estados Unidos como no Brasil, a tag #FearTWD esteve no topo das trending topics do Twitter. Foi possível notar a boa aceitação dos fãs de The Walking Dead à série. As únicas reclamações se deram devido à quantidade abusiva de intervalos comerciais e, no Brasil, à dublagem desconexa.


Houve poucos casos de reclamações quanto à história e enredo em si. Contudo, ainda restam alguns desorientados (quase walkers por natureza) sobre o assunto principal da nova série de Kirkman. Para começar, Fear the Walking Dead terá sim um ritmo mais lento que a aclamada série originária. Trata-se (ao menos nas primeiras temporadas) dos primeiros casos do evento apocalíptico. Então, logicamente que as pessoas não sairão matando walkers (termo que não será usado para designar os zumbis) à primeira vista. Existe um período de adequação, ninguém sabe ao certo o que está ocorrendo.

Ainda, a série estará centrada num drama familiar, ou seja, nos conflitos de relacionamento entre os personagens já apresentados. O apocalipse zumbi será um cenário que irá intensificar tal drama. Então, não espere que Travis, Madison, Nick, Alicia, saiam por aí com facões nas mãos matando walkers com excelência, montem um acampamento na mata fechada e se assemelhem ao Evil Rick e a titia Carol quando eventuais ameaças humanas surgirem. Lembre-se que acima de tudo, por enquanto, o mundo ainda é mundo e o sistema governamental ainda continua atuando sobre os civis. Para eles o evento é só mais uma das epidemias que já se disseminaram no mundo, como a H1N1 e a ebola, por exemplo.

Enfim, a série cumpriu com excelência o prometido e Kirkman novamente conseguiu surpreender a todos. Agora deveremos esperar os próximos episódios para aprofundarmo-nos mais nas desventuras das famílias Manawa/Clark e nos eventuais próximos personagens que surgirem com o desenrolar da trama.

O segundo episódio de Fear the Walking Dead vai ao ar no domingo 30 de agosto, às 22h, na AMC Brasil.

Nenhum comentário:

Postar um comentário