sábado, 22 de agosto de 2015

Fear The Walking Dead Primeiras Entrevistas: Ruben Blades


Fear The Walking Dead é a nova série que se passa no mesmo universo de The Walking Dead e mostrará os primeiros momentos do apocalipse zumbi. Ambientada em Los Angeles, a produção contará com novos personagens, tramas inéditas e conflitos familiares misturados ao então misterioso surto, que aos poucos vai acabando com a civilização.

Nesta série de primeiras entrevistas cedidas à AMC, o elenco principal de Fear The Walking Dead comenta suas impressões e expectativas. Confira a seguir informações sobre o ator Ruben Blades e seu personagem, Daniel Salazar, seguida de sua entrevista.

Sobre Ruben Blades


Ruben Blades é um artista extremamente distinto, cujo trabalho se estende por muitos meios e arenas. Ele pode ser visto estrelando em Hands of Stone, ao lado de Robert De Niro, Edgar Ramirez e John Turturro. Recentemente, apareceu no filme The Counselor de Ridley Scott com Michael Fassbender.

No cinema, Blades tem desempenhado papéis memoráveis ​​sob o comando de diretores aclamados e talentosos como Robert Redford, em The Milagro Beanfield War, Robert Rodriguez, em Once Upon a Time in Mexico, Spike Lee, em Mo’ Better Blues, Alan Pakula, em The Devil’s Own e Jack Nicholson, em The Two Jakes. Também atuou no filme da Universal Pictures Safe House ao lado de Denzel Washington e Ryan Reynolds. Foi indicado a dois prêmios Emmy por seu trabalho nos filmes de televisão The Josephine Baker Story (1991) e Crazy from the Heart (1992).

Além de seu trabalho nos filmes, Blades é um dos vocalistas mais bem sucedidas da história da música panamenha. Ganhou 10 prêmios GRAMMY®, incluindo um na categoria World Music. Blades é formado em Direito e Ciências Políticas pela Universidade do Panamá e pela Harvard Law School, respectivamente. Ele candidatou-se à presidência da República do Panamá, em 1994, chegando em terceiro lugar com 18% dos votos. Blades simboliza um verdadeiro homem renascentista.

Sobre Daniel Salazar


Daniel Salazar é um refugiado de El Salvador que irá proteger sua família custe o que custar. Ele é dono de uma barbearia e tem muito orgulho do seu negócio, mas se reserva apenas à sua comunidade. Alguns dos clientes fieis de Daniel frequentam a “Salazar’s Cuts” há anos, mas mal conhecem o homem que os atende. Quando as mortos começam a levantar-se, Salazar volta a ser o homem que foi um dia, um homem que fará qualquer coisa para garantir a sobrevivência da sua família.

Entrevista com Ruben Blades


Quem é Daniel Salazar? Qual é a sua história anterior ao ponto em que nos encontramos em Fear?

Daniel Salazar é um nativo de um país da América Central, que chegou aos Estados Unidos por consequência da guerra que assolou o seu país, durante os anos 70 e início dos anos 80. Ele veio para os Estados Unidos com sua esposa Griselda e a filha Ofélia, e se estabeleceu em Los Angeles, onde há um grande número de pessoas como ele. Ele abriu uma barbearia e é assim que ele é conhecido na área, como o barbeiro.

Eu acho que se você realmente examinar as pessoas, você vai encontrar muitas surpresas em termos de sua opinião de que a pessoa foi contra o que é a realidade.
Somos todos pessoas muito complexas. Temos a tendência de categorizar, estereotipar e formar opiniões, com base em aparências, quando na verdade somos muito complexos. Então, o que você vê não é necessariamente o que é. Neste caso em particular, por causa das condições em que são introduzidas ao meu caráter, não há realmente nada que possa indicar qualquer coisa fora do comum com sua família.

O que te intriga sobre o papel de Daniel Salazar?

Eu gosto do fato de que Salazar era complexo. Quando eu estava sendo recrutado para este projeto, este foi uma das coisas que me deixou imediatamente interessado. Eu fiz um monte de papéis na minha vida, e alguns deles não são considerados importantes, porque eles não têm grande participação no projeto. Mas cada papel tem um potencial. Neste caso particular, a história de Daniel Salazar vai ser muito gratificante para mim como ator. Mas como qualquer coisa, este foi um ato de fé. Eu acreditei no escritor e do jeito que ele apresentou sua posição. Ele era inteligente o suficiente dentro das coisas de que ele era capaz de dizer (sem revelar demais); ele foi claro o suficiente para instigar minha curiosidade, e eu estou feliz por ter ganho o papel.

O que traz o cenário de Los Angeles a história?

Qualquer cidade que tenha uma população que ultrapasse os milhões é o lugar perfeito para se esconder. Isso é um aspecto que traz à história. A outra é que nos Estados Unidos as pessoas tendem a deixá-lo sozinho. Há mais respeito e compreensão sobre a privacidade, para que você possa começar uma nova vida como ninguém, o mais sábio.

O que é intrigante sobre a premissa de Fear?

No início, eu pensei que era o show escapista e nós precisávamos disso. Aqui, a premissa é muito interessante em muitos aspectos, porque basicamente o que nos é apresentado é a consideração de que o mundo seria sem lei, sem ordem, sem códigos de conduta, e como seria possível sobreviver sob essas condições.

É uma questão muito válida porque é interessante que as emergências parecem trazer o melhor ou o pior em nós. Algumas pessoas não vão ajudar os outros em condições normais, mas ainda assim, quando nos deparamos com circunstâncias catastróficas, as pessoas ajudam os estranhos às vezes às custas de suas próprias vidas e segurança. E isso é uma grande qualidade que os seres humanos têm, a capacidade de ser altruísta e depois ajudar os outros. A pergunta deste show é que se pode ser mantida através de um colapso total da sociedade – e os melhores anjos de nossos personagens prevalecem, ou vamos voltar a ser animais. A situação obriga a considerar estas coisas.

Como isso é diferente de The Walking Dead?

Existem diferenças imediatas. Este é o início da compreensão do problema. Ninguém sabe ao certo o que é. Não temos certeza do que está acontecendo; não sabemos se é reversível, o que cria uma série de questões morais e problemas em termos de reações.

Em segundo lugar, as conexões entre os indivíduos são baseadas em uma realidade diferente do que no outro show, onde a situação é permanente e você já sabe o que está acontecendo. Assim, o desenvolvimento da atitude que, finalmente, vai amadurecer no outro show é muito interessante para testemunhar como esta situação está começando a ser entendida pelas pessoas.

E eu sou um músico – você nunca tem o mesmo público. Então isso significa que os personagens, embora enfrentando situações semelhantes, não vão ser cópias de carbono do outro show. Por isso há sempre um elemento de surpresa e de invenção de algo novo, para que você não possa realmente comparar os shows. Este é um público diferente; é um show diferente.

Descreva para nós a relação de Daniel com sua esposa, Griselda.

Griselda para Daniel é estabilidade, um lembrete constante de que existe bondade e amor, e que existe segurança. No mundo de Daniel isso é efêmero. Daniel não é uma pessoa confiante por natureza, mas Griselda é a rocha sólida em sua vida. Ele sempre pode encontrar o mesmo carinho, amor e compreensão. Ela também tem um modo de pensar que é mais objetivo, menos orientado a raiva e mais racional. Então Daniel pode sempre ir para lá.

Como Daniel e Travis diferem em suas relações com o apocalipse?

Travis é uma boa pessoa. Seus problemas com o passado não o levou, nem a Madison, a chegar a esse lugar onde Daniel viveu e conhece muito bem. Portanto, todos as reações Travis vão ser condicionadas por essa inocência. Mas é uma inocência baseada na ignorância. Eu escrevi uma canção há muito tempo com Lou Reed chamado “The Calm Before the Storm”, e havia um verso que diz: “Houve um tempo quando a ignorância fez a nossa inocência forte.” E me lembro que Lou disse: “Não, não … houve um tempo em que a inocência fez a nossa ignorância forte.” De qualquer forma este verso se aplica a este caso. Travis é um produto do mundo que era; Daniel é o resultado da quebra desse mundo anterior. Esse mundo obrigou-lhe a sair, vir para os EUA, e encontrar a repetição novamente, para acabar com a consideração moral, que em última análise é uma das coisas mais difíceis para ele. Ele prefere viver no mundo de Griselda, e agora ele deve fazer o que tem de ser feito, mesmo que isso signifique fragmentar sua família, a fim de protegê-la.

***

Fear The Walking Dead estreia dia 23 de agosto de 2015 e terá seis episódios com uma hora de duração cada. A série já tem segunda temporada garantida e chegará ao Brasil pelo canal AMC.

Nenhum comentário:

Postar um comentário