sexta-feira, 21 de agosto de 2015

Fear The Walking Dead Primeiras Entrevistas: Cliff Curtis


Fear The Walking Dead é a nova série que se passa no mesmo universo de The Walking Dead e mostrará os primeiros momentos do apocalipse zumbi. Ambientada em Los Angeles, a produção contará com novos personagens, tramas inéditas e conflitos familiares misturados ao então misterioso surto, que aos poucos vai acabando com a civilização.

Nesta série de primeiras entrevistas cedidas à AMC, o elenco principal de Fear The Walking Dead comenta suas impressões e expectativas. Confira a seguir informações sobre o ator Cliff Curtis e seu personagem, Travis Manawa, seguida de sua entrevista.

Sobre Cliff Curtis


Cliff Curtis estrelou recentemente no drama Gang Related da FOX, atuou na série Missing da ABC com Ashley Judd, e no filme Risen, onde interpreta Jesus Cristo, junto a Joseph Fiennes. Curtis vem colecionando críticas e elogios por sua atuação em The Dark Horse, baseado em uma história real no qual interpreta o jogador campeão de xadrez Genesis, que sofre de transtorno bipolar.

Em Hollywood, Curtis atuou em uma gama de papéis em vários filmes, incluindo: Runaway Jury (2003), Whale Rider (2002), Blow (2001), Training Day (2001), Three Kings (1999), The Insider (1999) e Bringing Out the Dead (1999).

Nascido em Rotorua, Nova Zelândia, Curtis possui descendência Maori, com afiliações tribais Ngati Hauiti e Te Arawa. Estudou na Escola de Teatro da Nova Zelândia, e em seguida, no Teatro Dmitri Scoula na Suíça. Ele conseguiu seu primeiro papel no filme The Piano (1993). Também atuou em papéis subsequentes na Nova Zelândia, que incluem: o melodrama Desperate Remedies (1993), o esgotante drama urbano Once Were Warriors (1994), e a comédia Jubilee (2000).

Sobre Travis Manawa


Travis Manawa é um pai, professor de inglês no ensino médio e namorado de Madison Clark. Ele é um bom homem, um típico norte-americano. Como patriarca do grupo, ele é protetor, pragmático e confiante na sua convicção de que tudo tem conserto. Ele mantém uma relação com sua ex-mulher e seu filho resentido enquanto tenta ser um pai para os filhos de Madison. Travis enfrenta o desafio de unir a família – um desafio que ampliado por esse novo e inesperado caos.

Entrevista com Cliff Curtis


Fale um pouco sobre Travis.

Travis Manawa é um professor do ensino médio, divorciado, tem um filho adolescente, e está em um relacionamento novo e excitante com sua namorada Madison Clark. Ela tem dois adolescentes também. Ele está muito apaixonado e quer tentar descobrir como obter sucesso nesse relacionamento de famílias misturadas.

O que aprendemos sobre os valores?

Ele tem uma mente comunitária e é um homem de família. Ele se preocupa profundamente com as pessoas, em ajudar os outros. Ama ensinar e a seus alunos. Gosta de ver os outros pensarem e ter sucesso. E mesmo, que seu primeiro casamento não tenha dado certo, ele está de bem com esta situação, e a coisa mais importante para ele é fazer com que esta família progrida. Ele é do tipo “mãos de ouro”, ele gosta de consertar as coisas. Ele é muito útil em uma situação estressante, porque qualquer coisa em sua mente é corrigível. Ele é um otimista.

O que mais lhe chama atenção em Travis?

Eu gosto da ideia de atuar como um cara comum. Ele não é um super-herói com poderes especiais; ele é apenas uma espécie de um cara comum. Os problemas na vida dele estão ajudando-lhe no trabalho, na disputa pelos seus filhos adolescentes e no descobrimento do seus relacionamentos. E esse é realmente um ótimo lugar para começar, porque o que aparece em nosso show é tão bizarro, extraordinário e artificial, que ao invés de se ter uma resposta e abordagem tipo dos heróis dos filmes de ação, ele é um cara muito humano e não sabe o que fazer.


Como um rapaz normal encara o apocalipse?

Todos nós podemos falar sobre o que faríamos em determinadas situações. Todo mundo tem uma ideia em sua cabeça, mas eu gosto da ideia de um cara comum, que tem de enfrentar quem ele realmente é, quando tudo está dando errado. Eu estou realmente gostando muito de entrar nesta zona onde eu percebo que ele pode não ser “o homem ideal”, mas ele vai continuar tentando. Ele não vai desistir, ele não é um covarde, e eu estou realmente intrigado com esse equilíbrio e sendo desafiado e atingindo os limites de minhas habilidades físicas, emocionais e psicológicas, e ainda tendo que lidar com a situação.

Isso é a coisa mais importante sobre as famílias. Quando jovem, você cresce e sua vida está toda voltada para você. Mas, quando você começa uma família, você não é o mais centro, e então você toma novas decisões na vida. Você pensa sobre os outros, e eu acho que o Travis tem um monte disso. Ter uma família, estar apaixonado – isso faz as pessoas se preocuparem com os outros. Talvez se ele estivesse sozinho, ele não seria forte o suficiente. Mas porque ele acredita em sua família e na comunidade em que vive, ele tem mais poder de permanência, do que teria como um indivíduo. Você pode brincar com as vulnerabilidades do homem, porque quando as coisas ficam difíceis e você começa a pensar em sua esposa ou filhos, você fica mais forte.

Eu acho que, no contexto da família, sob essas circunstâncias insanas, onde o mundo está literalmente caindo aos pedaços é interessante. Ele desempenha nesse meio termo, onde você pode sentir que ele não vai conseguir, que ele tem que endurecer-se ou ele não vai conseguir. Enquanto é acreditável que ele possa se preocupar com os outros mais do que a si mesmo, e é aí que ele consegue a força para prosseguir. Eu gosto deste cara por essas razões. É bom para mim.

Onde você encontra os personagens no começo da Fear? Do que se trata Fear?

O medo é a primeira palavra no nosso novo show. Vamos ouvi-la muitas vezes. Não é uma prequel ou sequência, é uma parte adjunta. É o seu próprio show. O que isso significa é que é muito diferente. E o que eu gosto sobre o show, e o que eu estou aprendendo, é o que se sente real. Isso realmente poderia realmente acontecer. Não apenas a coisa toda sobre os mortos-vivos ou infectado, mas vendo como um vírus poderia tomar a humanidade e, em seguida, tirar o melhor e o pior em nós e o quão rapidamente a nossa ideia de civilização pode desintegrar-se. O que acontece se as coisas que nós tomamos por concedido não estão lá? O que acontece se as pessoas que conhecemos não são mais as pessoas que conhecemos? Nós não estamos tratando isso de uma maneira piegas. Nós estamos tratando de uma forma muito real, muito ligada à terra, e isso faz o show mais interessante para mim.

O que mais chamará atenção do púbico nesta série?

Há muitos personagens diferentes que atravessam situações diferentes. A maioria, eu imagino, vai encontrar um personagem para se relacionar. Se você não gosta do personagem, você provavelmente se relacionará com as situações, que são complicadas. Ter a família na qual você possa acreditar, com chances de propagação, em um elenco que o público possa se relacionar com um ou mais personagens, e depois – boom! A tragédia atinge novamente. E de novo! Eu acho que é muito divertido. Por alguma razão, nós gostamos de assistir a humanidade passar por isso. Nós temos feito isso desde as tragédias gregas. Estas são as nossas peças clássicas agora, elas estão na TV. E eu acho que nós estivemos sempre fascinados com o que aconteceria? Como as pessoas se comportariam? Há algo realmente emocionante sobre circunstâncias trágicas. Há a ameaça, e o impacto. E, por algum motivo base, isso é entretenimento.

Há também uma espécie de pantomima. Tipo de dispositivo no show em que o público sabe o que está acontecendo, semelhante a qualquer bom filme de gênero horror. Eu acho que nós temos estes momentos suficientes no show para satisfazer essa emoção, e não há esperança suficiente no programa, bem como para os nossos personagens. Bom, eu espero que eles possam ficar bem!


Qual é o centro da relação de Travis e Madison?

Ambos foram casados e ambos têm filhos adolescentes. Eles precisam saber que podem confiar uns nos outros e eles estão ali para dar apoio uns aos outros, mas isso vai ser testado à enésima potência neste show. Em cada episódio, vamos descobrir os nossos próprios limites e as limitações do nosso relacionamento. Não é só sobre se nós vamos ser uma família sucedida – mas se vamos fazê-lo como indivíduos ou como um casal.

Como ele se relaciona com Nick, o filho de Madison?

Os adolescentes estão nos desafiando a toda hora. É a natureza do mundo paterno na adolescência, e nós vivemos isso “ao vivo” com Nick. Ter um viciado em sua família é um pesadelo, mas eu acho que Travis ama Maddy e tudo o que ela faz por ele. É a força e o amor por seus filhos e a ideia de que ela nunca vai desistir. E eu acho que isso significa muito para o Travis. Porque no seu casamento anterior, ele nunca quis desistir e ele sentiu que teria feito qualquer coisa para ter dado certo. Não importa como ele tentou com sua ex-esposa Liza, não estava funcionando. Ele não poderia consertá-lo. Ele é uma espécie de alma ferida e é realmente importante que ele tenha encontrado alguém que não é uma desistente, alguém que vai lutar por sua família até o fim. É assim que ele é.

Como Travis se relaciona com o próprio filho Chris?

Desde o episódio em que eu estou distante do meu filho, Chris, interpretado por Lorenzo James Henrie, Travis está tentando trazer Chris para esta nova família, e Chris faz o tipo não tenho nada a ver com isso. Chris não gosta de Nick e certamente não quer outra mãe, Madison. Ele não tem nenhum interesse na filosofia da nova família misturada de Travis. Então, Travis tenta negociar este relacionamento. Mas, quando as coisas progridem, ele não dá Chris uma escolha. Depois ele percebe, que a escolha é uma necessidade para fazer um plano ficar longe de uma confusão.


Como as famílias heróicas trabalham juntas?

Eles fizeram um excelente trabalho em criar “bolsas” no show onde voltas inesperadas puxam nossos tapetes. Mas isto realmente se resume às famílias que tentam proteger e cuidar umas das outras. Portanto, temos a família Manawa, a família Salazar e a família Clark. Em termos de configuração destas diferentes famílias, nós fizemos um grande trabalho em estabelecê-las e, em seguida, esmagá-las e, por fim, assistir como eles tentam descobrir as coisas.

O otimismo de Travis irá ajudar ou atrapalhar no apocalipse?

Travis possui a clareza da mente para ver que no meio de toda a confusão que existe uma escolha a ser feita, sobre a possibilidade de prejudicar e matar ou de não fazer nada disso. Ele está esperando que isso seja algum tipo de doença estranha que vai se curar em um dia ou uma semana; isso vai passar como qualquer desastre natural. Então, ele está pensando em tudo e tentando descobrir uma maneira de não se deteriorar e perder a humanidade no processo. Travis diria- como você pode matar um ser humano apenas porque está doente? E ele fica triste quando vê as pessoas desprezando a vida humana dessa forma.

Existem algumas opções diferentes quando confrontados com a matança de um infectado, e todo mundo tem que descobrir onde eles se sentam. Há a necessidade de matar, ou você tem uma crença filosófica sobre a vida, ou seja, você está fazendo isso porque você acredita em uma ideia. O último tipo de escolha é quando trata-se uma pessoa que amam e eles matam por misericórdia. Os dois últimos não estão fora da necessidade. Então Travis defende esta posição – por tanto tempo que puder.

Fear the Walking Dead força os nossos personagens em situações mais e mais difíceis. Como estas sistuações impactam a compreensão moral de nossas famílias?

O show realmente tem um bom senso de construção de tensão e, em seguida, joga tudo no ar, apenas quando você acha que sabe onde estão as regras para a mudança do jogo. É sobre estar chocado com a nova realidade. Se nós desumanizarmos a população humana, e eles são uma ameaça para a vida, então eles são os danos colaterais e não há uma linha muito clara de discernimento. A luta por nossos personagens é como tentar agarrar na nossa humanidade, por mais tempo que pudermos, até a necessidade tomar conta. Onde está esta linha?

***

Fear The Walking Dead estreia dia 23 de agosto de 2015 e terá seis episódios com uma hora de duração cada. A série já tem segunda temporada garantida e chegará ao Brasil pelo canal AMC.

Nenhum comentário:

Postar um comentário