domingo, 3 de maio de 2015

Chad L. Coleman teve um colapso no metrô de Nova York


O astro de The Walking Dead, Chad L. Coleman, teve um grande colapso enquanto utilizava o metrô em Nova York. Um comentário de um dos passageiros o desestabilizou, e foi a gota d’água para ele. Nunca esperamos isso de Chad, mas entendemos completamente ele nesta situação!

Chad L. Coleman, cujo trabalho mais notável foi interpretar Tyreese em The Walking Dead, ficou enfurecido quando um comentário de um outro usuário do metrô o irritou durante uma viagem no dia 1º de maio. O resultado desta raiva? Uma discussão aterrorizante aos gritos dele, bem, com ele mesmo, basicamente.

No vídeo, Chad está gritando com toda a força dos seus pulmões, deixando bem claro para todos que ele é “Chad L. Coleman de ‘The Wire’ e de ‘The Walking Dead’!” Sua voz chega a fazer doer e suas palavras não fazem nenhum sentido. Ele diz “humanitário” muitas vezes – o que depois ele esclareceu. O ator disse estar se referindo aos atuais problemas em Baltimore. Certo, justo.

Os passageiros do trem ficaram extremamente desconfortáveis e quando a coisa toda acabou, você pode ver que muitos saíram de perto dele – porque todos os assentos ao redor dele ficaram vazios.

O site TMZ falou com Chad, que disse estar sóbrio, e revelou como tudo começou. Ele explica que ele ouviu um cara e uma garota conversando no trem, tentando se lembrar de onde o conheciam. Ele disse que o cara disse à garota: “Não, a gente não conhece esse negão”, e isso o enfureceu.


Entenda o caso em Baltimore (via Revista Veja): Freddie Gray morreu há uma semana, vítima de fraturas na coluna, na altura do pescoço. De acordo com o jornal The Guardian, ele não respondeu à ordem de parada de policiais que faziam ronda de bicicleta em uma área com altos índices de criminalidade. Um vídeo gravado com celular mostra que Gray foi imobilizado no chão e colocado dentro de uma van. Ele parecia ter dificuldade para andar e gritava de dor, informou o New York Times.

O comissário de polícia de Baltimore, Anthony Batts, reconheceu que os oficiais erraram ao não prestar socorro médico a Gray no momento em que ele foi preso. Batts também admitiu que os policiais não afivelaram cintos em torno de Gray, o que levanta as suspeitas de que as fraturas podem ter ocorrido durante o percurso de 30 minutos até o hospital. Gray entrou em coma no hospital e morreu após uma semana.

Os seis policiais envolvidos na ação foram suspensos de suas funções, mas continuarão recebendo pagamentos. Eles alegam que não usaram força excessiva contra Gray. A expectativa é de que as autoridades de Baltimore concluam a investigação sobre a morte até sexta-feira. Os resultados serão enviados para procuradores estaduais que determinarão se haverá a abertura de um processo judicial contra os oficiais. O Departamento de Justiça dos Estados Unidos também lançou uma investigação federal para apurar se os direitos civis de Gray foram violados enquanto ele esteve sob custódia.

Histórico – Investigações federais sobre violação de direitos humanos são relativamente raras nos Estados Unidos. O Departamento de Justiça, no entanto, optou por entrar em ação diante da elevada tensão racial provocada pelas mortes de negros por policias. Os casos mais conhecidos são os de Michael Brown, em Ferguson, e de Eric Garner, em Nova York. Recentemente, um vídeo divulgado pelo jornal The New York Times mostrou um policial atirando oito vezes nas costas de um homem negro desarmado. Ele foi preso e responde por homicídio.

Nenhum comentário:

Postar um comentário