domingo, 29 de março de 2015

Gale Anne Hurd conta como o enredo de abuso de Carol em The Walking Dead pode “inspirar mulheres”


[ATENÇÃO!! ESTE CONTEÚDO CONTÉM SPOILERS DO EPISÓDIO S05E15 – “TRY“!]

Quando The Walking Dead entrou no aparentemente pacífico e seguro céu de Alexandria há algumas semanas atrás, os fãs sabiam que essa estabilidade não iria durar muito, e com razão. Uma vez que “Try” estreou semana passada, a primeira bomba estourou – mas surpreendentemente essa bomba não teve nada a ver com a ronda de Glenn para procurar suprimentos, ou mesmo o fato de a chefe de Alexandria, Deanna (Tovah Feldshuh), não confias na gangue de Grimes.

Ao invés, The Walking Dead retornou para uma das histórias mais cativantes – a de Carol (Melissa McBride) sofrendo violência doméstica. Anos depois que soubemos que Carol sofria abuso de seu marido, e meses depois ela pareceu sentir uma catarse com Daryl (Norman Reedus) quando voltaram a Atlanta, a gangue dos Grimes partiu para ação quando souberam que um membro de Alexandria estava sendo violentada.

A MTV News conversou com a produtora executiva de The Walking Dead, Gale Anne Hurd, para descobrir porque o passado abusivo de Carol sempre retorna, e o que isso significa para o grupo.


MTV: Muitas bombas estavam prestes a estourar em Alexandria, e pra mim é interessante que o abuso doméstico estourou primeiro. Por que isso fez com que Rick partisse para ação passando por cima de todas as coisas que estão acontecendo?

Gale Anne Hurd: Acho que é por causa da Carol, porque todos sentem por ela. Nós vimos essa história muito comovente com Daryl, eu acho, porque eles dois foram vítimas de abuso em diferentes formas, e isso fez os aproximarem muito. Ela não deixará isso acontecer com mais ninguém e não há dúvidas que sua influencia afetou Rick profundamente também.

MTV: Quando você introduziu o tema de violência doméstica pela primeira vez na primeira temporada, você tinha alguma ideia de como isso ia continuar pesando na história?

Gale Anne Hurd: Houve rumores de Carol nem ser uma personagem contínua com um diretor de antes. Então isso depende do diretor. Mas a verdade é que Melissa McBride é resplandecente em seu papel de Carol. É tão sutil, tão poderosa, mesmo quando ela faz coisas que você tem vontade de coçar a cabeça. Assim, quando eu li pela primeira vez o diálogo que ela teria com o pequeno Sam, eu pensei “Meu Deus, será que fomos tão longe assim e Carol será rejeitada pelas pessoas?”

E a verdade é que ela conseguiu se safar e os fãs não rejeitaram. E só porque a performance da Melissa é poderosa. Você entende de onde ela veio, e também entende que ela faz isso porque quer proteger seu grupo de sobreviventes e a comunidade em si, que literalmente não está preparada para continuar sobrevivendo no mundo do apocalipse zumbi. Eles só tiveram muita sorte.


MTV: Parece que sua história de abuso afetou sua realidade no presente mais do que qualquer personagem na série. Há uma linha bem clara entre a Carol de antes e de depois. Então quando coisas como o abuso com Jessie (Alexandra Breckenridge) aparecem… isso sempre esteve nos livros, ou essa decisão de trazer isso de volta foi por causa da performance de Melissa?

Gale Anne Hurd: Nós só escrevemos para atores que conseguem arcar com isso. E Melissa consegue arcar com tudo. Podemos colocar Carol numa posição de ter que matar Lizzie, e depois confessar a Tyreese… Quando temos atores como Melissa e como Chad L. Coleman, você pode realmente reforçar essas linhas históricas e fazer os personagens terem várias camadas e serem complexos.

MTV: Você acha que tem mais liberdade em explorar o problema de violência doméstica com um ângulo de realização de desejos, já que o universo da série é fantástico?

Gale Anne Hurd: Ta aí uma das melhores coisas da ficção ou do terror – é o “sim, você pode”. Porque não há um nível de suspensão da descrença. Isso é precisamente o porquê disso ter tanto impacto. Acho que a personagem de Carol mostra que há maneiras de sobreviver a esse abuso, se tornar sua própria mulher, e esperamos que isso inspire mulheres a acreditarem que há vida depois de terem deixado seu agressor.


MTV: Algum sobrevivente de abusos entrou em contato com você sobre esta história?

Gale Anne Hurd: Sei que Melissa tem ouvido de alguns… interessante é que uma mulher entrou em contato comigo e ela coordena um abrigo para violentadas junto com Ellen Ripley de “Alien”. Ela se tornou uma inspiração para mulheres porque ela conseguiu enfrentar seu medo depois de ter sobrevivido um encontro com o alien no primeiro filme. E no segundo filme, ela voltou para salvar pessoas. Ela era uma mulher sem muitas habilidades extraordinárias, que não é uma marinheira, e se tornou a mais bem equipada para sobreviver e proteger seus companheiros.

Eu acho – e espero que isso se espalhe – que Carol se tornou uma das personagens mais populares da série, talvez uma das mais populares da televisão. Mas ela não é uma ingênua. Ela é durona, toma conta de seu grupo, e faz o que for para proteger eles, mas não num jeito Lady MacBeth. Do seu próprio jeito poderoso, consciente e que não leva desaforo para casa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário