sábado, 1 de novembro de 2014

REVIEW S05E03 – Four Walls and a Roof: Fim da caçada


Se há alguma palavra que define bem este episódio é desconforto. Desconforto por finalmente ouvir de Padre Gabriel, como ele deixou sua congregação ser despedaçada por walkers, desconforto por ver um personagem tão otimista quanto Bob ser mordido, desconforto por ver que Rick talvez esteja ficando parecido com as ameaças com que teve de lidar nos últimos anos.


Mas o que sem sombra traz imenso desconforto são os caçadores comendo carne humana. De cara começamos o episódio com Gareth saboreando um Big Bob pedaço da perna de Bob, enquanto explica a lógica distorcida que o fez compartilhar da mesma dieta que os walkers. Mas não basta apenas comê-lo, Gareth precisa fazer isso destilando sarcasmo, para mostrar que se adaptou muito bem a este novo mundo. Não por acaso, entre aqueles que raptaram Bob está Martin, o habitante de Terminus que explicou a lógica desta temporada para Tyreese. De fato, ele foi libertado por Tyreese, e não morto como tinha sido dado a entender. E ao invés de partir em direção oposta ao grupo de Rick, voltou para por em prática a teoria do “caçar ou ser caçado”.

Ao que parece, Rick também já assimilou essa lógica. O que parecia ser um erro fatal – deixar a igreja desprotegida – na verdade foi a perfeita emboscada para capturar e dar cabo de Gareth. De maneira brutal, diga-se de passagem. Seja por que não quisesse gastar munição, seja por que estivesse sedento de raiva, Rick e os demais mataram os caçadores a machadadas e pauladas.


Não me entenda mal. Não havia outra alternativa para os canibais, eles tinham de ser executados. Mas a maneira como o fato se deu pode chocar um pouco se você ainda não assimilou que já não resta muito espaço para humanidade entre os vivos. E não é apenas quem assiste que pode se assustar. Tyreese, Tara, Maggie e Glenn ficaram visivelmente chocados com a forma como os caçadores foram executados. (Aliás, como sempre, a série não passa metade da brutalidade dos quadrinhos).

Ao final, é o moribundo Bob quem traz um pouco de luz para toda a desolação deste episódio. Sua própria história é uma mensagem.  Ele entrou na história como o único sobrevivente de dois grupos e, por um tempo, nós o vimos como um alcoólatra capaz de pôr todo o grupo em perigo por causa de uma garrafa de uísque. Mas em meio a todo o caos gerado pela queda da prisão e a chegada a Terminus, ele conseguiu se reerguer e se despede como alguém que soube ver o lado positivo das situações e dar a Sasha uma razão para continuar acreditando.

Para Rick, ele deixa claro que não teria conseguido se não fosse pela ajuda das boas pessoas que, assim como o xerife, ainda existem. A questão é: até quando?

Observações:

– Agora que sabemos quais são os pecados de Father Gabriel, podemos descarta-lo como ameaça direta ao grupo.

– Ao final do episódio, tivemos um vislumbre de onde Beth está. Mas Carol não apareceu ao lado de Daryl, o que gera algumas especulações sobre a identidade da pessoa que estava escondida na floresta.

– É oficial. Maggie não se importa com o paradeiro de Beth. É como se ela nem lembrasse que a irmã existe. Em alguns fóruns se discute a possibilidade de que ela esteja evitando lidar com a questão por conta da dor da perda ou ainda que Maggie ainda não teve tempo de discutir o assunto com Daryl. Se é um dos casos, provavelmente nunca saberemos, pois ela partiu juntamente com Glenn para achar a cura.

Era de se esperar que houvesse algum tipo de conflito entre Abraham e Rick. Os dois são líderes natos e atualmente, seus objetivos divergem. Agora que a ameaça imediata, os canibais, já foi completamente vencida, o paradeiro de Beth (e Carol?), deve se tornar o centro das atenções do grupo, antes que eles partam para Washington.

O próximo episódio é Slabtown e vai ao ar no próximo domingo, nele finalmente vamos saber do paradeiro de Beth, mas adiantando as coisas por aqui, vocês acham que ela está num lugar seguro? Deixe a gente saber nos comentários e até mais!

Nenhum comentário:

Postar um comentário