sexta-feira, 30 de agosto de 2013

Os 10 melhores momentos dos quadrinhos de The Walking Dead


The Walking Dead de Robert Kirkman é uma das mais longas séries do mundo dos quadrinhos. Rick Grimes e seu grupo de sobreviventes tiveram uma longa e dura jornada. Pelo caminho, muitas vidas foram perdidas, alianças foram criadas e momentos de ação não faltam.

Então, o site Bloody Disgusting decidiu fazer uma compilação em uma lista dos 10 melhores momentos da HQ The Walking Dead. Isso não engloba todos os melhores momentos, porque há, simplesmente, muita coisa incrível pra se colocar numa lista só.

AVISO: Continue com cuidado, esse artigo contém spoilers de toda a história de The Walking Dead.


Sem mais delongas, aqui estão os dez melhores momentos de The Walking Dead que o Bloody Disgusting selecionou:

10. A excelente aventura de Rick e Martinez (Edição 36)


Em “This Sorrowful Life” (Vida de Agonia), Martinez descobre que o Governador cortou fora a mão de Rick e decide mudar de lado. No entanto, Martinez foge da prisão na primeira chance que tem. Seu plano era revelar a localização do grupo ao Governador. Rick não estava gostando nada dessa merda. Então ele persegue Martinez com a RV. Ele o atropela, incapacitando o sem vergonha. Então ele fica de pé perto dele em um campo. Rick parece insano enquanto sufoca e xinga Martinez. Martinez jura que só queria salvar as pessoas de Woodbury. No fim, Rick o sufoca até a morte e descobrimos que ele e o Governador não são tão diferentes afinal. Além do mais, essa cena nos dá uma das melhores paisagens na história da HQ.

9. Glenn tira um tempinho face-a-face com Lucille (Edição 100)


Com a aproximação da edição 100 em “Something to Fear” (Algo A Temer), Glenn era uma luz de esperança nessa realidade sombria. Glenn decide se mudar para Hilltop, ele estava feliz. Tudo parecia estar em ordem. Pela primeira vez, Glenn não conseguia parar de pensar no dia de amanhã. Então Negan aparece em cena. Ele comanda a página e separa cada um dos sobreviventes. Ele deixa claro que seu objetivo é acabar com Rick.

Ele levanta seu taco de baseball envolto em arame farpado: Lucille. Ele entra num dilema. Ele não consegue escolher quem vai matar. Naturalmente, como o psicopata que ele é, ele deixa ao acaso. Glenn perde o mais importante jogo de “minha mãe mandou” da sua vida. Negan acerta Lucille na parte de trás da cabeça de Glenn. O crânio de Glenn se abre e seu olho salta para fora enquanto ele chama por Maggie. Uma coisa realmente tocante.

8. Dale tem uma perna de vantagem com os caçadores (Edição 64)


Dale Horvath era um velho grosseiro com um coração de ouro e um profundo senso de moralidade. “Fear the Hunters” (Tema os Caçadores) estava a todo vapor, e Dale havia sido mordido. Ele vai para a floresta numa tentativa de poupar Andrea. No entanto, durante sua tentativa de fuga, os Caçadores o capturam. Ele acorda para ver que sua outra perna fora amputada e que os Caçadores estavam ao seu lado, discutindo sobre seus tipos preferidos de carne humana. Dale fica histérico, e os informa que acabaram de comer carne envenenada. O velhinho ri por último e, cara, como ele gostou disso.

7. O Governador dá uma mãozinha a Rick (Edição 28)


Essa lista não estaria completa sem o Governador. O homem que comandava a pequena cidade de Woodbury com punhos de aço era uma força a ser considerada. Ele levou muitas coisas durante seu tempo nas páginas, mas seu primeiro ato de insanidade continua sendo um dos mais memoráveis. O Governador tinha acabado de capturar Rick. Ele força dois de seus homens a lutar até a morte, rodeados de zumbis. Rick, Michonne e Glenn percebem que ele é completamente insano. Nesse momento, ele exige saber onde Rick e seu grupo estão escondidos, mas Rick não cede. Então, o Governador faz a coisa mais lógica a se fazer. Ele continua seu monólogo, enquanto joga Rick numa mesa. Ele levanta sua faca ao ar e arranca fora a mão de Rick. É imprevisível e insano, e foi um dos momentos que fez de “The Walking Dead” o que é hoje. Depois de “The Best Defense” (A Melhor Defesa), Kirkman deixou claro que nada nem ninguém estava à salvo.

6. O Governador força Lori a deixar a maternidade (Edição 47)


“Made to Suffer” (Nascidos para Sofrer) foi um dos arcos mais sombrios e depressivos da série. O Governador se estabeleceu como um maníaco ameaçador e as coisas na prisão desmoronaram. Então, na edição 46, quando o Governador chega aos portões com Tyreese, os leitores tiveram certeza de que as coisas não podiam piorar. O Governador manda Rick aparecer e, pra mostrar que está falando sério, decapita Tyreese na frente de todo mundo. As coisas não podiam ficar piores, bem, até dois meses depois. O Governador investiu contra a prisão. Rick e sua família tentam fugir, mas Carl corre rápido pra cacete.

Numa tentativa de acompanhá-lo, Rick aumenta o espaço entre ele e Lori. O Governador manda que Lilly atire na família fugitiva. Um tiro acerta as costas de Lori, ela cai em cima da pequena Judith e ambas morrem empilhadas. Nesse momento, começa um novo arco para a série e para Rick. A morte de Lori o muda para sempre e faz com que ele dê valor à segurança de Carl mais do que à própria vida. A última ilustração da edição 47 oferece um impacto incrível. Rick abraça um distraído Carl no topo de um morro, olhando de cima o caos na prisão, enquanto eles precisam se lançar, juntos, no selvagem desconhecido, e com legiões de mortos-vivos em seu encalço.

5. Carl e o Governador finalmente vêem com os mesmos olhos (Edição 83)


A comunidade foi comprometida. Em “No Way Out” (Sem Saída), Kirkman finalmente permite que os leitores se sintam seguros. A comunidade foi murada e várias famílias estão contribuindo para o que parece uma nova Woodbury. No entanto, sendo “The Walking Dead”, não demora muito para as coisas virarem merda. A quantidade de zumbis contra os muros se provou ser demais. Rick sugere, ao grupo de refugiados em sua casa, que deixem a comunidade. Eles levam um tempo pra se preparar e decidem tentar. Assim que chegam ao lado de fora, fica claro que não estão prontos. As coisas vão pra merda quando Jessie simplesmente não larga Carl. Douglas perde a cabeça e está atirando loucamente nas hordas de zumbis. Rick abre caminho até Carl e arranca fora a mão de Jessie, salvando seu filho. Quando ele empurra Carl pelo caos, uma bala perdida da arma de Douglas acerta Carl. A bala leva metade de seu rosto com ela, e resulta num dos melhores painéis da história da HQ. Carl nunca mais foi o mesmo. Esse momento o transformou em uma alma dura e negra. Ao invés de se sentir derrotado por sua deficiência, isso conferiu a ele uma certa despreocupação que salvou sua vida muitas vezes.

4. Abraham & Rick: Guerreiros da Estrada (Edição 57)


“What We Become” (O Que nos Tornamos) provou ser um tempo difícil para Rick e Carl. Eles estavam na estrada, com um destino que parecia quase impossível de alcançar. Abraham e Rick estavam em desacordo quanto à tentativa de suicídio de Maggie. Abraham era a frustração de Rick, forte, dominante e controlado; parecia que era hora de Rick lidar com uma luta interna novamente. Kirkman faz as suas cabeças girarem em um único momento. Abraham e Rick saem em busca de suprimentos na delegacia de polícia, levando Carl com eles. As coisas parecem incrivelmente tensas. E ficam piores quando uma arma é apontada para o rosto de Abraham. Um grupo de caipiras desprezíveis aparece na estrada e tentam estuprar Carl. Rick entra em frenesi e morde o pescoço de um dos atacantes. Abraham acaba com um deles e protege Carl enquanto Rick esfaqueia até a morte o último deles. Esse momento leva Abraham a se abrir e contar o que houve com sua família. Num piscar de olhos, Abraham se torna mais humano e sua relação com Rick é fortalecida. A partir daí, Rick e Abraham meio que lideram o grupo juntos, suas personalidades sempre em conflito, mas nunca deixando que isso prejudique o grupo. Esse momento serviu de fundação para o melhor “bromance” (romance entre irmãos) que “The Walking Dead” já ofereceu.

3. O Rei (Edição 108)


Esse se provou ser mais misterioso que os outros momentos. Ainda assim, a apresentação de Ezekiel em “What Comes After” (O Que Vem Depois) é um grande momento. As coisas estavam fora de controle desde a apresentação de Negan. Ezekiel oferece uma luz de esperança juntamente com um ar de mistério. Algumas edições depois, Kirkman nos agrada com um pouco mais de informação sobre a motivação e o passado do personagem. Ainda assim, sua apresentação nos diz que ele também é uma força a ser considerada com cuidado, e a aliança de Rick com o Reino foi a decisão certa.

2. Dois caras, uma garota e Carl (Edição 6)


Esse foi um dos momentos mais comentados da série. A dinâmica de melhor amigo é frequentemente comprometida em tempos de grande perturbação. Mesmo assim, a condição de Rick com Shane era muito mais que isso. Shane acreditava realmente que Rick estava morto e que fazia a coisa certa ao aceitar o fardo da responsabilidade pela família de Rick. Depois do retorno de Rick, Shane nunca mais foi o mesmo. Seu cantinho aconchegante no meio do apocalipse havia sido comprometido. Shane e Rick estavam em desacordo em relação às mesmas coisas. Eles queriam segurança para aqueles ao seu redor e eles queriam o controle.

Esse momento impulsionou “The Walking Dead” para um lado não apenas de sobrevivência a zumbis, mas para drama profundo entre os personagens. Nós sentimos a condição emocional desses dois homens. Mesmo assim, quando chegou ao fim, apenas um poderia sobreviver. Uma explosão emocional em público envergonha Shane e o faz correr para a floresta. Rick o segue e Shane tem um colapso. Ele está emocionalmente devastado e não pode continuar. Ele aponta sua arma para Rick e uma bala passa pela sua garganta. Carl viu o suficiente, e temia pelo seu pai. Ele deu o tiro que terminou o arco de “Days Gone Bye” (Dias Passados) com uma perfeita nota de desesperança. Isso definiu a série.

1. Sem mordida, sem problema (Edição 14)


Qualquer fã de zumbis irá dizer que um apocalipse zumbi precisa de regras. Convenções do gênero são, muitas vezes, tidas como certas. Você é mordido e se transforma, destrua a cabeça, e continue se movendo. Mesmo assim, em “Safety Behind Bars” (Segurança Atrás das Grades) , Kirkman decidiu adicionar seu próprio toque à mitologia. Julie e Chris tentam suicídio duplo depois de fazerem sexo. Chris atira cedo demais e Julie não tem a chance de retribuir o favor. Tyreese aparece em cena e Julie se reanima em seus braços. É um momento chocante. As coisas mudam daqui pra frente, porque, agora, os mortos não estão mortos. A morte significa reanimação, independentemente da causa. Cada passo que o grupo dá deve considerar essa informação. Foi uma sacada manipulada de maneira excelente e que diferenciou “The Walking Dead” de todas as outras histórias sobre o apocalipse zumbi.

Discorda dessa lista ou acha que esquecemos de alguma coisa? Faça barulho nos comentários!

The Walking Dead está atualmente na edição 113 e a próxima edição será lançada no dia 11 de setembro de 2013.

Um comentário:

  1. Há outros melhores momentos dos quadrinhos, como Abraham levando uma flechada no olho, Governador estuprando Michonne, Thomas Richards sendo jogado aos zumbis, as cabeças de Rachel e Susie reanimadas, a morte de Andrea, a Guerra Total, a traição de Dwight, Alexandria sendo salva por Jesus e Reino, a Guerra dos Sussurradores, a morte de Padre, Negan estripando Spencer, cabeças espetadas em piques de madeira, a queda de Hilltop, a luta de Negan e Beta, a execucão de Gregory, Negan decapitando Alpha, Michonne tortura Governador, o discurso de Rick, Rick arrancando o jugular de Morton, o oceano de zumbis, a morte de Andrea, Heath perde a perna, David tenta violar Holly, Rick mata Sherry acidentalmente, Andrea empurra Connor para fora da torre, os discursos de Rick e Negan, Carl espancando Brandon e seu amigo com uma pá Carl matando Ben.

    ResponderExcluir