sexta-feira, 15 de março de 2013

A Volta dos Mortos-Vivos – Parte II (Return of the Living Dead Part II, 1988)

Quando você já estava achando que era tranquilo ser morto, Dan O’Bannon entrega as chaves a Ken Wiederhorn para esta recauchutagem do primeiro filme. Outro tubo é aberto, que libera mais gás tóxico e uma nova horda de zumbis. Mathews e Karen reprisam os papéis anteriores, dessa vez como o coveiro e sua assistente cabeça-dura.


É uma ótima sequência, que consegue expandir os conceitos apresentados no original sem desrespeitar a "mitologia" dos mortos-vivos. A Volta dos Mortos-Vivos – Parte II só peca, talvez, pelo exagero de cenas cômicas e o esquecimento de cenas de mortos e nojeiras do gênero (praticamente não há sangue derramado). Mas isso não tira a diversão, de modo algum.

 Sinopse

Os tambores Trioxina do filme anterior estavam sendo transportados pelo exército norte-americano quando um dos barris acidentalmente cai de um dos caminhões próximo a um cemitério de uma pequena cidade. Três garotos que estavam ali vêem o barril e decidem mexer sem saber do perigo que estava por vir. Quando ele abrem o tambor um gás se espalha pelo cemitério fazendo com que os mortos levantem-se de suas covas.

Ficha Técnica

Diretor: Ken Wiederhorn
Elenco: Michael Kenworthy, James Karen, Thom Mathews, Dana Ashbrook, Marsha Dietlein, Suzanne Snyder, Philip Bruns.
Produção: Tom Fox, William S. Gilmore.
Roteiro: Ken Wiederhorn
Fotografia: Robert Elswit
Trilha Sonora: J. Peter Robinson
Duração: 90 min.
Ano: 1988
País: EUA
Gênero: Terror
Cor: Colorido
Distribuidora: Não definida

Trailer


Curiosidades

- James Karen e Thom Mathews já atuaram no primeiro filme, em papéis diferentes. Porém, os mesmos morrem da mesma maneira, inalando o gás que antes estava contido nos tanques do exército, e em seguida, tornam-se zumbis. Eles tambpem fazem alusão ao filme anterior durante a parte em que estão fugindo no carro, a personagem Joey (Thom Mathews) fala que tudo parece um pesadelo e que tem a impressão de que ja viveu tudo o que está acontecendo com eles.

- Neste filme descobre-se, acidentalmente, que o choque elétrico intenso é a única maneira segura de destruir os zumbis sem o risco de reanimar mais cadáveres. Ao que parece, a energia elétrica aniquila quaisquer vestígios do gás tóxico presentes nos zumbis e pessoas infectadas, no entanto sem gerar mais vapores do gás nocivo e, com isso, impedindo que mais cadáveres sejam reanimados. Estranhamente, o exército jamais tomou conhecimento disto, já que nos demais filmes da série os personagens nunca se utilizam de descargas elétricas para destruir os mortos-vivos.

- O filme faz paródia do cantor Michael Jackson vestido com as roupas de thriller e também do músico Beethoven .

- Ficou conhecido no Brasil pelas inúmeras reprises no Cinema em casa nas tardes do SBT durante a década de 90. Isso era possivel, porque o Ministério da Justiça naquela época não era tão severo quanto a classificação indicativa, desde que fosse avisado ao telespectador, qual seria o conteudo apresentado nos filmes (violência, terror, ou suspense).

Imagens












Nenhum comentário:

Postar um comentário